21789-startup-brasileira-eduk-recebeu-660x0-1

O empreendedor que quiser abrir um negócio nos Estados Unidos vai ter sua vida facilitada a partir de julho deste ano.

O governo americano, por meio do Department of Homeland Security (DHS), publicou novas regras para facilitar que empresários estrangeiros de qualquer país – incluindo o Brasil – constituam startups nos EUA.

O objetivo da medida é reforçar o potencial de crescimento da economia norte-americana com aumento dos investimentos, incentivo à inovação e a criação de mais postos de trabalho.

As normas foram propostas pelo ex-presidente Barack Obama no ano passado e entram em vigor em 17 de julho deste ano.

Não se trata de um visto ou greencard, mas de uma permissão de estadia temporária, chamada de Parole, que tem validade de 30 meses, renováveis por igual período.

 A elegibilidade pode ser estendida para até três executivos em cada empresa e inclui cônjuge e filhos.

Para ganhar a permissão, o novo empreendimento deve ter capital de pelo menos US$ 250 mil e um plano de negócios para cinco anos. Um dos focos do programa é atrair profissionais qualificados para atuar no mercado americano.

É importante observar os aspectos legais para adesão ao programa. Uma consultoria especializada em imigração e negócios pode ajudar a  abrir a empresa, orientar sobre detalhes legais e contábeis, elaborar o plano de negócios e fazer a aproximação com bancos e entidades governamentais brasileiras e estrangeiras.

O estudo de viabilidade detalhado e acompanhado por pessoas com experiência no mercado no qual deseja entrar também é de suma importância para o sucesso do empreendimento.